25/03/2020 às 09:32

Federações do setor produtivo baiano pedem manutenção de serviços essenciais a prefeitos de todo o Estado

Através de cartas aos prefeitos de todo o Estado da Bahia, entidades empresariais baianas do Comércio, Indústria e Agricultura – Fecomércio-BA, Fieb e Faeb – pediram atenção à necessidade de manter em operação serviços e estabelecimentos essenciais para o abastecimento mínimo necessário, sobretudo dos segmentos de alimentos, bebidas, saúde e higiene, durante a pandemia.

Por causa do avanço da pandemia do novo Coronavírus, as cidades baianas tiveram de tomar medidas duras, mas necessárias para conter o avanço da doença. Vários decretos restringem a circulação de pessoas, mercadorias e o fechamento temporário de estabelecimentos comerciais, logísticos, de serviços e industriais.

LOGÍSTICA - No entanto, o documento, que foi assinado pelos presidentes das Federações das Indústrias, Comércio de Bens, Serviços e Turismo, e Agricultura e Pecuária do Estado da Bahia, reforça que as medidas restritivas não devem se aplicar aos setores de logística. “A entrega de cargas é fundamental para que não haja desabastecimento e a economia continue funcionando. Centros de distribuição, depósitos, armazéns, atacadistas, entre outros, precisam continuar operando. Neste ambiente, as vendas à distância e entregas em domicílio devem aumentar significativamente, o que demandará um trabalho bem articulado da área de logística das empresas. Portanto, mais do que restringir, é preciso facilitar a circulação e o trabalho dessas pessoas”, diz um trecho da carta.

Os presidentes Antonio Ricardo A. Alban (Fieb), Carlos de Souza Andrade (Fecomércio-BA) e Humberto Miranda Oliveira (Faeb), ressaltam ainda aos prefeitos dos municípios baianos que, durante o período de restrições por causa do novo coronavírus, é preciso evitar medidas genéricas que podem afetar diretamente as atividades essenciais.