25/05/2018 às 17:33 - Atualizado em 25/05/2018 às 17:41

Paralisação pode acarretar perdas de até R$ 50 milhões por dia para o varejo de Salvador e RMS

As paralisações dos caminhoneiros em protesto contra o aumento do preço dos combustíveis estão gerando um verdadeiro colapso para empresários e consumidores. Segundo estimativa da Fecomércio-BA,  o reflexo para o varejo de Salvador e RMS pode chegar a perda de vendas de até R$ 50 milhões por dia. No cenário estadual, o dano de perda de vendas diárias pode atingir até R$ 150 milhões.

Com a crise, o setor de abastecimento já está em dificuldades para atender à demanda da população, que, assustada com as notícias, corre para os principais pontos de venda a fim de garantir o seu estoque.  Na análise econômica da Federação, o prejuízo nas vendas dos bens não duráveis como alimentos, remédios e gasolina pode ser visto como um primeiro alarme. No entanto, se essa crise persistir, o problema pode se estender para as vendas de bens duráveis como veículos, eletrodomésticos e materiais de construção, gerando uma crise geral para o setor.

Basta imaginar que o varejo (mesmo aquele que não sofre com desabastecimento no curto prazo em suas prateleiras) sofrerá indiretamente: como muitos motoristas e empresas de ônibus começam a temer o desabastecimento de combustíveis, que já é uma realidade, o fluxo de pessoas nos centros e ruas comerciais pode declinar vertiginosamente. O problema é sério e tem efeitos que vão além do mais óbvio desabastecimento imediato de alguns itens.