29/05/2020 às 09:24 - Atualizado em 29/05/2020 às 09:31

Vereador Claudio Tinoco participa de live da Fecomércio-BA sobre os efeitos da Covid-19 no comércio de Salvador

O presidente do Sistema Fecomércio-BA, Carlos de Souza Andrade, realizou na quarta-feira, 26/05, a live “Medidas para mitigar efeitos da Covid-19 no comércio”, junto com o vereador e presidente da Comissão Permanente de Desenvolvimento Econômico da CMS, Claudio Tinoco.

Apesar de ter começado o ano de 2020 com um cenário muito promissor para a economia da cidade, a crise provocada pelo novo coronavírus, reverteu esse quadro. “20% do PIB de Salvador está veiculado às atividades associadas ao turismo e por causa dos bons resultados apresentados nos meses de janeiro e fevereiro, o comportamento do cidadão baiano mudou, realmente por acreditar nesse momento, só que infelizmente a crise chegou e esse quadro foi revertido”, pontuou o vereador.

Ex-secretário de Cultura e Turismo (Secult) da gestão municipal, o parlamentar acredita que a Câmara tem se colocado de forma muito responsável, representando os interesses da sociedade, e que uma série de iniciativas estão sendo implantadas. “A primeira frente,  que estamos trabalhando, está associada a demandas em relação às questões tributárias, pois sabemos que com a crise o orçamento das famílias e empresa fica apertado, e demandas associadas a um possível diferimento de tributos, prorrogações e até possíveis incentivos ao enfrentamento sobretudo das atividades suspensas,  é necessário”, esclarece Tinoco.

Visando propostas para fortalecer a frente da assistência social e diminuir a atual taxa de transmissão em Salvador, a Câmara aprovou um projeto que concede auxílio de R$ 250 reais para as pessoas infectadas com o covid-19, sem vínculos empregatícios, que aceitem se hospedar nos Centros de Acompanhamento Clínico do Estado para o enfrentamento do vírus.  Claudio Tinoco ainda falou sobre a aprovação na Câmara Municipal à destinação de R$ 30 milhões para alocar os recursos dos gastos de saúde da Prefeitura. Esses recursos são oriundos de operação de crédito junto à Corporação Andina de Fomento (CAF).

Questionado pelo presidente da Fecomércio-BA sobre as ações que a Câmara tem feito para os  empresários, Tinoco afirmou que tem trabalhado em duas frentes, a primeira sendo a possibilidade dos incentivos fiscais e segunda, relacionada aos créditos. “A expectativa de todo setor econômico é a possibilidade de incentivo fiscal que englobe parcelamentos, prorrogações e até mesmo a renúncia através de multas e juros. Uma medida que estamos tentando aprovar na Câmara, é um projeto de indicação, visando a suspensão, até o fim deste ano, da cobrança judicial, da inscrição no Cadin e do protesto de títulos referente a débitos tributários originados a partir de março deste ano”, disse Tinoco. 

Em relação a segunda frente, essa estará voltada para o crédito. “Tanto o BID (Banco Interno de Desenvolvimento) quanto o CAF (Bando de Desenvolvimento da América Latina) têm linhas de financiamento para o fomento das atividades. É fundamental que na retomada, pós-pandemia, o pequeno empresário tenha algum crédito, seja para capital de giro ou para alavancar o seu estoque”, finaliza o presidente da Comissão Permanente de Desenvolvimento Econômico da CMS.

Foto: César Vilas Boas (Arquivo)